Ouça aqui e compartilhe

Existe uma série de expressões e gírias para o ato de apresentar alguém a outra pessoa com a intenção de uma interação amorosa. Onde eu cresci uma das mais populares é “colocar na mão”. As mais diversas variações da ideia de juntar duas pessoas, passam pela intenção mútua de ambas, que gerou um dos verbetes mais populares de 2015 “match”, quando o match acontece o próximo passo é o “date” outro verbete que ficou muito popular 2016 em consequência das redes sociais permitirem tantos “matchs”, se havia intenção de estarem juntas, logo haveriam vários encontros.

Mas nem todas as pessoas despertam o desejo mútuo de estarem juntas, pessoas de todas as idades já passaram ou ainda passarão por uma situação assim, há quem chame isso de amor platônico, outras vão dizer que tem um crush não correspondido e por isso estão na bad, mas hora ou outra acaba acontecendo.

Mas algo que acontece com muito mais frequência é ver os amigos e até aqueles que não são próximos aprovando um casal, desejando que eles fiquem juntos. Um dos verbetes mais usados em 2017 “shippar” nasceu para demonstrar que se torcia por um possível casal em filmes e séries, mas como tudo na vida evolui, se tornou ainda mais forte como indicativo de desejar que um casal existisse, muitas vezes aquele par que alguém shippa nem se conhecem, mas tudo bem, o importante é o apoio moral nessa hora.

Fica sussa que os semnome.org não se tornou um site de encontros, mas certo dia após servir na missa, uma senhora aproximou-se de mim quando eu estava saindo da sacristia e acompanhou-me, ofereceu-me carona para casa, mas sempre prefiro ir caminhando, faz-me bem. Ela então me convidou para almoçar em sua casa dizendo.

“Gosto de ver-te a acolitar no altar, o fazes bem. Queria que conheceste minha filha.”

Neste ponto preciso explicar uma coisa sobre mim para vocês, a maioria dos meus amigos próximos se questionados vão dizer que sou lerdo. Eu aceitei o convite para almoçar, ela disse que confirmaria um dia que fosse bom para mim e para a família dela e me avisaria, pediu meu número de contato para avisar-me e eu dei. Ela entrou em contato duas semanas depois, confesso que já tinha esquecido do diálogo, mas fui almoçar na casa dela.

Hoje, no segundo domingo do tempo comum, o evangelho segundo São João é proclamado (1, 29-34), nele nos é narrado um momento em que Jesus aproxima-se de seu primo João Batista e João o apresenta dizendo

“Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.” (Jo 1, 29b).

A frase que ouvimos durante a santa missa, quando o sacerdote nos apresenta Cristo Eucarístico e nós respondemos com uma resposta igualmente evangélica.

“Senhor, eu não sou digno de que entreis em minha morada. Mas dizei uma só palavra e serei salvo.” (Mt 8, 8).

Era sobre isso que estávamos conversando no carro indo para a casa da senhora almoçar, a presença viva da palavra de Deus na liturgia da santa missa, que transcende as leituras do dia, o significado de cada oração, de cada objeto litúrgico, de cada ato ali realizado. Após a refeição retomamos o assunto, conversamos sobre essa necessidade de apresentar Jesus como Aquele que tira o pecado do mundo.

Dedicamos tanto tempo das nossas vidas desejando ter coisas, querendo que coisas aconteçam. Mas o quanto nós desejamos que Cristo nos diga apenas uma palavra? O quanto nós desejamos reconhecer Cristo? O quanto nós desejamos apresentar Cristo ao outro?

Quando João Batista apresenta Jesus, as pessoas se voltam para Ele, elas não tem dúvidas se o quê João Batista diz é sério ou verdadeiro, porque elas já reconhecem em João Batista aquilo que Jesus pode fazer neles, como a intimidade com Deus poderia transformá-los. Para conseguirmos transmitir essa confiança ao apresentarmos Jesus precisamos conhecê-Lo pessoalmente, precisamos ter intimidade, precisamos viver com Ele, Nele e para Ele, caso contrário estaremos apenas contando uma linda história, mas que nada significa além de uma história, a Boa Nova de Deus precisa ser fonte de transformação, se não nos transformar ainda estamos ouvindo e contando histórias.

Entre tantos matchs, dates e shippadas, pense bem se você de fato já teve seu date com Jesus, se você já ajudou alguém a dar match com Jesus. Você já se percebeu desejando tanto que alguém se unisse a Jesus a ponto de shippar essa união? Todo cristão tem uma arma poderosa para quando deseja shippar a união de alguém com Jesus, a oração, oração fiel e diária, como pedimos a Maria na oração do santo terço,

“Rogai por nós que recorremos a vós e por aqueles que não recorrem a vós.”

Por isso eu lhe pergunto, você já rezou pela conversão de alguém hoje?

Bom, o quê eu posso lhe dizer hoje é que o almoço foi ótimo, que algum tempo depois é que me explicaram que a senhora estava me shippando com a filha dela, é talvez eu seja um pouco lerdo mesmo kkkkkkk. A filha dela não era a minha @, mas não tem problema, porque se dessa vez a senhora não ganhou um genro, a igreja ganhou uma catequista, porque esse foi o fruto da nossa conversa. Se antes a senhora insistia para a filha ir a missa com ela, agora a filha insiste para que a mãe torne-se catequista também.

Percebam Deus nos pequenos detalhes.

Graça, Paz e Misericórdia.