Movendo-se pelo mundo como católico
Devo desistir de entrar na vida religiosa para ajudar meus pais?
Devo desistir de entrar na vida religiosa para ajudar meus pais?

Devo desistir de entrar na vida religiosa para ajudar meus pais?

Ouça aqui e compartilhe

Devo desistir de entrar na vida religiosa para ajudar meus pais?

Should I give up entering religious life to help my parents?

Sem Nome Responde

É necessário dizer que se tens o desejo de ingressar na vida religiosa ou tens alguém próximo com este desejo, orai, orai sem sessar, para que o chamado de Deus seja ouvido, discernido e obedecido, pois é uma graça maravilhosa para todo o povo de Deus.

Mas diante de um impasse como esse é preciso refletir com cuidado, não existe resposta pronta para a sua pergunta. Mas para não ficarmos presos no depende, vamos dividir os dois cenários possíveis em sim ou não. Para isso, vamos (mais uma vez) recorrer a sabia ajuda do nosso Doutro Angélico, santo Tomás de Aquino. 

Respondendo, sim você deve desistir, santo Tomás nos explicar que, 

Com efeito, não é lícito eximir-se o que é obrigatório para fazer o que é facultativo. Ora, a assistência aos pais cai sob a necessidade do preceito, que ordena honrar pai e mãe. Por isso, diz o Apóstolo “Se alguma viúva tem filhos ou netos aprenda primeiro a governar a sua casa e a retribuir aos pais os cuidados recebidos”. E entrar na vida religiosa é um ato facultativo. Logo, parece que alguém não deve, para entrar na vida religiosa, eximir-se da assistência aos pais. 

Mas respondendo, você não deve desistir, santo Tomás nos recorda que, 

Em sentido contrário, diz-se no Evangelho que Tiago e João “deixando as redes e o pai, o seguiram”. A esse respeito, Hilário diz: “Isso nos ensina que os que seguirão a Cristo não se deterão, pelas preocupações da vida secular e o apego à casa paterna”.

É interessante observar que aquele que desejar argumentar contra ou a favor encontrar argumentos válidos, inclusive na sagrada escritura, então qual caminho seguir? Santo Tomás nos responde que,

Os pais têm, como tais, a razão de princípios. Por isso compete-lhes por si cuidar dos seus filhos. Por essa razão, não seria permitido a alguém, que tivesse filhos, entrar na vida reli­giosa, eximindo-se totalmente do cuidado deles, isto é, sem providenciar como serão educados. De fato, está escrito que “se alguém não cuida dos seus, renegou a fé e é pior que um infiel”. Entretanto, casualmente, cabe aos filhos, ajudarem os pais, a saber, quando estiverem em alguma necessidade. 

Por conseguinte, se os pais estiverem em tal necessidade de que não possam ser socorridos conve­nientemente a não ser pela assistência dos filhos, estes não têm o direito de eximir-se da assistência, para entrar na vida religiosa. Se, porém, estes não estiverem em tal necessidade que precisem muito dessa assistência dos filhos, estes podem eximir-se da assistência e ingressar na vida religiosa, mesmo contra a vontade deles. Porque, após a puberdade (Para os dias atuais, a maior idade), quem é livre, tem a liberdade de dispor da sua vida, sobretudo no que diz respeito ao serviço de Deus. “Diz o Apóstolo, havemos de ser muito mais submissos ao Pai dos espíritos, a fim de vivermos, do que aos nossos pais segundo a carne”. Por isso, lê-se nos Evangelhos que o Senhor repreendeu o discípulo que não queria segui-lo imediatamente com a intenção de dar sepultura a seu pai, “pois havia outras pessoas capazes de cumprir essa obrigação”, observa Crisóstomo.

Sendo assim, santo Tomás e toda a Igreja nos convida ao bom senso, qual a realidade que aquele que se sente chamado a vida religiosa está vivendo? Existe condições para uma vida em dignidade por parte dos pais sem o seu auxílio? Existem outros irmãos que podem prestar esse auxílio em sua ausência? O que motiva os pais a desejarem que o filho permaneça com eles, são motivações inspiradas por Deus ou apenas vontades humanas? 

Cabe lembrar também, que o preceito de honrar pai e mãe não é uma ação corporal somente, a manifestação do respeito também se cumpre pela assistência espiritual na oração que fazemos por eles, pela demonstração da educação e do caráter recebido deles  e de muitas outras maneiras. 

E se diante de tudo isso, hoje, você discernir que precisa desistir de seu ingresso em  uma vida religiosa para dar essa assistência aos seus pais, louve a Deus por isso, pois na obediência, no respeito e no sacrifício que faz pelos seus pais no hoje, o Senhor também santifica sua vida e guardar um lugar para sua alma na vida eterna. 

Percebam Deus nos pequenos detalhes.

Graça, Paz e Misericórdia.

Sem Nome Responde é uma sessão onde buscamos responder perguntas que são enviadas a nossa redação, nos envie suas perguntas ou contribuições para as respostas por nossos canais de comunicação, ficaremos muito felizes em nos conectar com vocês. 

Não temos aqui a intenção de dar respostas definitivas para nenhuma pergunta, apenas buscamos a luz da sabedoria da Santa Mãe Igreja dar um passo na direção da verdade. Correções nas respostas podem ser realizadas a qualquer tempo, sempre que a luz dos ensinamentos da Santa Mãe Igreja nos permitir.

Deixe uma resposta