Ouça aqui e compartilhe

A pandemia da Covid-19 fez com que cada um de nós, em maior ou menor grau, passássemos a fazer coisas contra a nossa vontade habitual, muitos perderam seus empregos, outros passaram a trabalhar de casa, tantos ficaram sem aulas e outros tantos precisaram habituar-se a ter aulas apenas on-line, comércios foram fechados e outros passaram a funcionar em regime especial. 

Eu poderia criar aqui uma lista imensa de mudanças que nos foram impostas, mas essa não é minha intenção. Porque hoje pela manhã (17 de jun. de 20), eu acordei e ao meditar o evangelho do dia deparei-me com mais um profundo conselho de Jesus aos discípulos que se aplica tão bem a nós e ainda mais nesse tempo de enfrentamento da pandemia. 

“Ficai atentos para não praticar a vossa justiça na frente dos homens, só para serdes vistos por eles. Caso contrário, não recebereis a recompensa do vosso Pai que está nos céus.” (Mt 6, 1). 

Em tempos em que muitos noticiários dedicam um tempo generoso (na minha humilde opinião um tanto exagerado) para anunciar atualizações do número de casos e do número de óbitos por Covid-19, outros números crescem quase silenciosos, no seu ambiente mais fecundo, onde não deveriam crescer, em casa. 

É em tempo de grandes mobilizações nas redes sociais pela reabertura das igrejas, de grandes correntes de orações on-line, de abaixo assinados virtuais pedindo o retorno das missas públicas que os índices de violência doméstica crescem. Por favor não me entendam mau, não sou contra a nenhuma mobilização para que possamos nos reaproximar dos sacramentos, mas se não estamos podendo ver Cristo Eucarístico, precisamos nos lembrar que Ele continuar a nos ver. 

Se pararmos um segundo para ver as estatísticas vamos ver a violência contra a mulher subindo, abuso infantil subindo, exploração sexual contra a criança e adolescente subindo, maus tratos contra os idosos subindo. 

Os números vão subindo, subindo e subindo enquanto a maioria de nós está em casa, você que está lendo isto deve estar pensando agora que você não pratica nenhum desses crimes (pelo menos eu espero que não, mas se estiver, se arrependa meu irmão), mas se você não pratica e o número continua crescendo é porque uma infeliz verdade precisa ser encarada, aquele seu irmão que faz questão de cantar o salmo na missa, aquela irmã no grupo de oração que não perde a oportunidade de elevar a voz e orar em línguas ou quem sabe aquele pregador que bate no peito e segura a bíblia com convicção quando fala a todos no grupo de casais podem ser os culpados por esses números continuarem subindo. 

Não, não estou sugerindo que você inicie uma caça as bruxas, antes disso lembremos de um outro conselho de Jesus


“Por que você repara no cisco que está no olho do seu irmão e não se dá conta da trave que está em seu próprio olho? (Mt 7, 3). 

O bom católico sabe como olhar para o outro com amor, olhar com amor não é fazer cara de besta ou achar tudo bonitinho, olhar com amor é perceber os detalhes naquela criança que se torna violenta do nada na catequese e não quer que ninguém toque nela, aquela mulher que se retrai por completo quando o marido chega na igreja e faz expressão de medo, aquele jovem que toda semana tem uma história de um acidente diferente para contar que justifica um hematoma, aquela senhora cujos os olhos lacrimejam até quando recebe um bom dia de alguém.

Aqui sempre pedimos que percebam Deus nos pequenos detalhes, é o jeito sem nome de ser, mas sabemos bem que a ausência Dele deixa marcas profundas que podem ser percebidas nos nossos irmãos basta que tiremos as traves dos nossos olhos e nos permitamos olhar com amor uns para com os outros, não precisamos nos preocupar com os melhores lugares ou com os maiores destaques, pois Ele sabe de nós e mesmo que não possamos está em Tua casa como gostaríamos, mesmo que não possamos está diante Dele como ansiosamente desejamos voltar a estar, podemos oferecer a presença Dele que está em nós para buscar iluminar a vida de nossos irmãos que a todo momento nos mostram os detalhes nada sutis de seu sofrimento, um abraço, um conselho, uma mão amiga, se for necessário denuncie, chame a policia, nunca para que possa dizer que o fez e sempre porque era o certo a se fazer. 

Apresentemos Deus a eles nos pequenos detalhes.

Graça, Paz e Misericórdia.

Arte: sean_charmatz