Ouça aqui e compartilhe

Nosso tempo certamente nos dá maneiras diferentes de viver nossas ocupações em comparação aos tempos de nossos avôs, mas acreditem, as maneiras mudaram bastante, as ocupações não.

“No meu tempo não era assim”, quem nunca foi alvo dessa crítica em relação a algo, que levante a mão e diga EU! Mas não se preocupe, pois em algum momento você vai se pegar dizendo isso para alguém, se é que já não o fez.

A verdade é que as maneiras mudaram, mas as ocupações ainda são muito iguais, todos desejam diverte-se com seus amigos, saem para conhecer algum lugar novo, há os que desejam namorar, os que estudam juntos, os que fazem refeições juntos, os que trabalham juntos, os que vão a igreja juntos, os que vão a festas juntos, é muito comum perceber que o seu programa do dia foi ficarem todos juntos em algum lugar para fazer nada, a prática do nadismo é popular desde sempre. 

Como cada atividade ocupa o nosso tempo depende de vários fatores, qual momento de vida estamos vivendo, quais são nossas prioridades, onde vivemos, com quem convivemos e tantas outras mais. Deparei-me pensando sobre isso após ler uma matéria na BBC que mostrava os chamados países emergentes como líderes em tempo gasto em redes sociais, mas calma, não precisa torcer o nariz, não pretendo dizer como você devem usar suas redes sociais, tão pouco dissertar sobre se elas são boas ou ruins. 

Passei um tempo olhando para esse ranking e vendo a média de minutos gastos nas redes sociais por dia de cada país, se olharmos para a média dos EUA que é a menor da lista, 117 minutos, já nos basta. É muito provável que a maioria de nós passe mais tempo nas redes sociais do que em oração, longe de mim dizer que uma oração curta tenha menos valor ou importância do que uma longa, mas não nos espanta que em média passemos mais tempo por dia nas redes sociais de maneira natural do quê somos capazes de passar na missa dominical sem que comecemos a pensar que o padre está demorando demais para terminar? 

Antes que os grandes e modernosos missionários da internet argumente que nas redes socais também podemos ouvir e falar de Deus, o quê é evidente que podemos, faço uso do exemplo de São Francisco de Sales, santo e doutro da igreja que viveu no século XVII, antes mesmo que fosse simples curtir e compartilhar, ele já distribuía folhetos ensinando sobre a fé, mesmo assim São Francisco de Sales recomenda uma vida de retorno constante a santa eucarística.

“Duas espécies de pessoas devem comungar com frequência: os perfeitos para se conservarem perfeitos, e os imperfeitos para chegarem à perfeição.” (São Francisco de Sales).

Não só podemos como devemos viver com as mais variadas ocupações, foi assim que Deus nos criou e assim que ele deseja que vivamos nossas vidas, (Gn 1), independente da maneira como Ele chamou você a viver a santidade nesta vida, tenha certeza que só fará sentido vive-la se estiver centrada Nele, por Ele e para Ele. 

Quando estiverem em suas ocupações, sejam elas quais forem, sejam elas de quê maneira forem, lembre-se que são apenas ocupações e que todas elas são passageiras, o seu chamado eterno é com a santidade, este chamado passa pela cruz, reside na comunhão e o ouvimos pela palavra de Deus, palavra esta que celebramos hoje no terceiro domingo do tempo comum, como nos exorta o santo padre o papa Francisco em sua Carta Apostólica, Aperuit illis:

“É bom que não venha jamais a faltar na vida do nosso povo esta relação decisiva com a Palavra viva, que o Senhor nunca Se cansa de dirigir à sua Esposa, para que esta possa crescer no amor e no testemunho da fé”.

Assim quando a ouvimos, ela cresce e transborda até para os mais pequenos detalhes do nosso dia, fazendo-nos perceber que Deus está lá e nos impulsiona a empenhar-se para que os outros também consigam perceber.

Percebam Deus nos pequenos detalhes.

Graça, Paz e Misericórdia.