Meditação Quaresmal
Ouça aqui e compartilhe

Quarta-feira da II Semana da Quaresma

“Ele é propiciação pelos nossos pecados; e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo” (1 Jo 2, 2).

I. Propriamente falando, satisfaz pela ofensa quem, ao ofendido, oferece algo que este ame tanto ou mais do que odeia a ofensa. Ora, Cristo, sofrendo por obediência e caridade, ofereceu a Deus um bem maior do que o exigido pela recompensa da ofensa total do gênero humano. Assim, primeiro, pela grandeza da caridade, pela qual sofria. Segundo, pela dignidade de sua vida, que oferecia em satisfação, que era a vida de Deus e do homem. Terceiro, por causa da generalidade da Paixão e da grandeza da dor assumida. Por onde, a Paixão de Cristo foi uma satisfação não só suficiente, mas superabundante pelos pecados do gênero humano, segundo aquilo do Evangelho: “Ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo” (Mt 20, 19).

Em verdade, quem peca é que deve dar satisfação; porém, a cabeça e os membros constituem uma como pessoa mística. Por isso, a satisfação de Cristo pertence a todos os fiéis, como aos seus membros. Assim, também quando dois homens estão unidos pela caridade, um pode satisfazer por outro.

III, q. XLVIII, a. II

II. Ainda que Cristo tenha, com sua morte, satisfeito suficientemente pelo pecado original, não é inconveniente que as penalidades conseqüentes deste pecado permaneçam ainda naqueles que participam da redenção de Cristo. Com efeito, que a pena continue mesmo após a abolição da culpa, é algo em que se encontra harmonia e utilidade:

1. Para que exista conformidade entre os fiéis e Cristo, como entre os membros e a cabeça. Ora, assim como Cristo suportou muitos sofrimentos até chegar a glória da imortalidade, assim convinha que seus fiéis passassem por sofrimentos até chegarem a imortalidade; trazem em si mesmos as marcas da Paixão de Cristo, por assim dizer, para obter uma glória semelhante a sua.

2. Pois, se os homens que vêm ao Cristo recebessem prontamente a imortalidade e a impassibilidade, muitos homens se aproximariam do Cristo mais por causa destes benefícios corporais que pelos bens espirituais, o que vai contra a intenção de Cristo, que veio ao mundo para levar os homens, do amor das coisas corporais, ao amor das espirituais.

3. Enfim, se os que se aproximam de Cristo se tornassem, instantaneamente, impassíveis e imortais, isto, de certo modo, os compeliria a abraçar a fé de Cristo. O que diminuiria o mérito da fé.

Contr. 4, 55. 

(P. D. Mézard, O. P., Meditationes ex Operibus S. Thomae.)

Percebam Deus nos pequenos detalhes.

Graça, Paz e Misericórdia.

Quer se aprofundar no assunto?


Título da obra em latim: MEDULLA S. THOMAE AQUITATIS PER OMNES ANNI LITURGICI DIES DISTRBUITA, SEU MEDITATIONES EX OPERIBUS S. THOMAE DEPROMPTAE 

Recopilação e ordenação de FR. Z. MÉZARD O. P. 

Produzido a partir do material disponibilizado aqui

Observação: Todos os títulos com asterisco contêm material que hoje não mais se atribui a Santo Tomás de Aquino.