Meditação Quaresmal
Ouça aqui e compartilhe

Quinta-feira da IV semana da Quaresma

“Nosso amigo Lázaro dorme” (Jo 11, 11).

I. Chamamos alguém de “Nosso amigo”, por causa dos numerosos benefícios e serviços que nos prestou; é por isso que não devemos faltar-lhe na necessidade.

“…Lázaro dorme”: essa a razão de precisarmos socorrê-lo. “Aquele que é amigo… torna-se um irmão no tempo da desventura” (Pr 17, 17). No dizer de santo Agostinho, ele dorme para o Senhor; para os homens, que não o podem ressuscitar, está morto.

A palavra sono pode ser utilizada para significar muitas coisas: o próprio sono natural, as negligências, o sono da culpa, o repouso da contemplação ou da glória futura e, por vezes, a morte, como diz são Paulo, “não queremos, irmãos, que estais na ignorância acerca dos que dormem, para que não vos entristeçais como os outros, que não têm esperança” (1 Ts 4, 13).

A morte é chamada de sono por causa da esperança da ressurreição. Por isso costuma-se chamá-la de “repouso” desde o tempo em que Nosso Senhor morreu e ressuscitou: “Deitei-me e adormeci” (Sl 3, 6).

II. “mas vou despertá-lo.” Com isso, Jesus dá a entender que lhe é tão fácil ressuscitar Lázaro do túmulo quanto despertar alguém da cama. Nada que possa surpreender, pois é Ele quem suscita os mortos e os vivifica. Por isso disse: “Não vos admireis disso, porque virá tempo em que todos os que se encontram nos sepulcros escutarão a voz do Filho de Deus” (Jo 5, 28).

III. “vamos ter com ele”Brilha aqui a clemência de Deus, enquanto os homens, em estado de pecado e como mortos, não podem por si mesmos ir até Ele, é Ele quem os atrai, precedendo-lhes misericordiosamente, como aquilo das Escrituras: “Eu amei-te com amor eterno; por isso, mantive o meu favor para contigo” (Jr 31, 3).

IV. “Chegou, pois, Jesus, e encontrou-o já há quatro dias no sepulcro.” Segundo santo Agostinho, Lázaro, morto há quatro dias, significa o pecador retido pela morte de um pecado quádruplo: o pecado original, o pecado contra a lei natural, o pecado atual contra a lei positiva, o pecado atual contra a lei do Evangelho e da graça.

Ou então, pode-se dizer que o primeiro dia é o pecado do coração, cf. “tirai de diante dos meus olhos a malícia dos vossos pensamentos” (Is 1, 16); o segundo, o pecado da língua, “Nenhuma palavra má saia da vossa boca” (Ef 4, 19); o terceiro, o pecado das obras, sobre o qual diz Isaías, “cessai de fazer o mal” (Is 1, 16); o quarto dia é o pecado dos hábitos maus.

De qualquer modo que se exponha o texto, o Senhor cura por vezes os mortos de quatro dias, isto é, os que transgridem a lei do Evangelho e estão presos no hábito do pecado.

In Joan, XI 

(P. D. Mézard, O. P., Meditationes ex Operibus S. Thomae.)

Percebam Deus nos pequenos detalhes.

Graça, Paz e Misericórdia.

Quer se aprofundar no assunto?


Título da obra em latim: MEDULLA S. THOMAE AQUITATIS PER OMNES ANNI LITURGICI DIES DISTRBUITA, SEU MEDITATIONES EX OPERIBUS S. THOMAE DEPROMPTAE 

Recopilação e ordenação de FR. Z. MÉZARD O. P. 

Produzido a partir do material disponibilizado aqui

Observação: Todos os títulos com asterisco contêm material que hoje não mais se atribui a Santo Tomás de Aquino.