Meditação Quaresmal
Ouça aqui e compartilhe

Segunda-feira depois do IV domingo da Quaresma

“Ele tornou-se obediente até a morte, e morte de cruz; para o qual Deus também o exaltou.” (Fl 2, 8).

O mérito comporta certa igualdade com a justiça. Por isso, diz o Apóstolo que “para aquele que realiza obras, o salário é considerado um débito” (Rm 4,4). Quando alguém, por sua injusta vontade, atribui a si mais do que se lhe deve, é justo que se diminua também o que se lhe devia, como diz o livro do Êxodo (22): “Quando um homem roubar uma ovelha, devolva”. E dizemos que ele o mereceu, porquanto desse modo se pune sua vontade injusta. Assim também, quando alguém, por uma justa vontade, se priva do que tinha direito de possuir, merece que se lhe dê mais, como salário de sua vontade justa. Por isso, como diz o Evangelho de Lucas, “quem se humilha será exaltado” (Lc 14, 11).

I. Ora, Cristo, em sua paixão, de quatro modos se humilhou abaixo de sua dignidade:

a) Primeiro, em relação à sua paixão e morte, de que não era devedor.

b) Segundo, em relação ao local, pois seu corpo foi posto num sepulcro, e sua alma, na mansão dos mortos.

c) Terceiro, em relação à confusão e opróbrios que suportou.

d) Quarto, em relação ao fato de ter sido entregue ao poder dos homens, conforme ele mesmo disse a Pilatos: “Não terias poder algum sobre mim se não te houvesse sido dado do alto” (Jo 19, 11).

II. Por sua paixão, mereceu a exaltação de quatro maneiras:

a) Primeiro, em relação à ressurreição gloriosa. Por isso, diz o salmo (138, 1): “Conheces o meu deitar”, ou seja, a humilhação de minha paixão, “e o meu levantar”.

b) Segundo, em relação à ascensão ao céu. Por isso, diz a Carta aos Efésios: “Desceu primeiro até as partes inferiores da terra. Aquele que desceu é também o que subiu mais alto que todos os céus” (Ef 4, 9-10).

c) Terceiro, em relação ao assento que teve à direita do Pai e à manifestação de sua divindade, conforme diz Isaías: “Ele será exaltado, elevado, e posto muito alto, da mesma forma que as multidões ficaram horrorizadas a seu respeito assim será sem glória o seu aspecto entre os homens” (52, 13-14). E diz a Carta aos Filipenses (2, 8-10): “Ele se fez obediente até a morte e morte numa cruz. Foi por isso que Deus lhe conferiu o Nome que está acima de todo nome”, ou seja, para que por todos seja considerado como Deus e todos lhe mostrem reverência como a um Deus. E é o que se acrescenta: “A fim de que ao nome de Jesus todo joelho se dobre, nos céus, na terra e debaixo da terra”.

d) Quarto, em relação ao poder judiciário, pois diz o livro de Jó: “Tua causa foi julgada como a de um ímpio. Receberás o juízo e a causa” (Jó 36, 17).

III, q. XLIX, a. 6

Percebam Deus nos pequenos detalhes.

Graça, Paz e Misericórdia.

Quer se aprofundar no assunto?


Título da obra em latim: MEDULLA S. THOMAE AQUITATIS PER OMNES ANNI LITURGICI DIES DISTRBUITA, SEU MEDITATIONES EX OPERIBUS S. THOMAE DEPROMPTAE 

Recopilação e ordenação de FR. Z. MÉZARD O. P. 

Produzido a partir do material disponibilizado aqui

Observação: Todos os títulos com asterisco contêm material que hoje não mais se atribui a Santo Tomás de Aquino.