Ouça aqui e compartilhe

As facilidades do nosso tempo podem dividir opiniões, mas para mim duas coisas são certas sobre elas, o fato de tornarem nossas vidas mais confortáveis do que foram no passado e que se não utilizadas com cuidado podem tornar nossas vidas um verdadeiro caos.

Essa constatação não é nada nova, eu sei, ela pode ser aplicada a praticamente tudo em nossas vidas,

“Tudo demais faz mal”

Foi uma das frases que mais ouvi na minha infância, quando a minha mãe queria me alertar sobre os perigos de algum excesso que eu cometia, quase sempre com comida (kkkk).

Nessas épocas de distanciamento social, acabamos criando e consumindo mais conteúdo nos mais diversos formatos e estilos, como curiosidade apenas no Instagram no mês de março de 2020 o aumento no número de transmissões ao vivo cresceram em 70%, é muito conteúdo que você está consumindo sem consumir.

Ontem me deparei com um fenômeno curioso mas não único, em um dos canais que acompanho no YouTube, assistir um vídeo recém publicado naquele dia, era um vídeo de comédia onde os participantes comentavam uma historia especifica, assim que a história começou eu percebi que já tinha ouvido aquela história, mas algo estava diferente, não era aquele cenário, não era aquele local que eu tinha na memória para aquela história, então comecei a ler os comentários do vídeo e não tinha ninguém comentando a respeito do vídeo ser repetido, mesmo assim eu continuava com a ideia de já ter ouvido aquilo e comecei a procurar no canal até que encontrei o vídeo que eu tinha na memória, de fato era a mesma história, com as mesmas pessoas, só que em um local diferente.

Rolei pelos comentários daquele primeiro vídeo, comparei com o segundo e percebi que muitos dos usuários que comentaram no primeiro vídeo também comentaram no segundo, comentários muitas vezes semelhantes, aparentemente sem nem perceber que a história era repetida. Poucos comentários eram de pessoas que tinha notado a repetição, depois de observar pouco mais de uma centena de comentários (sim eu também tenho um pouco mais de tempo livre na quarentena, mas não levei mais de 20 minutos fazendo isso kkkkkk) eu fiquei pensando, estamos consumindo sem consumir, não estamos realmente prestando atenção porque nos permitimos sermos bombardeados com um volume exagerado de conteúdo.

Esse volume de conteúdo que muitas vezes é nocivo para nosso bem-estar e talvez nem percebamos, conversando com algumas pessoas próximas, vejo como elas estão mais ansiosas, mais nervosas, mais impacientes, mais chorosas, dormindo mal, se alimentando de maneira compulsiva e tantas outras coisas. Um amigo me relatou como sua mãe precisou ficar sem assistir televisão por dois dias para voltar a dormir, pois os noticiários estavam deixando-a com insônia. TV, rádio, sites, redes sociais, fofocas da vizinhança, teorias da conspiração de seus parentes, etc. são tantos conteúdos que recebemos o dia inteiro e que possuem o potencial de tirar nosso sono, que mesmo navegando por tantos conteúdos que dizem sempre

“busque com que ocupar-se durante a quarentena” eu digo NÃO.

Se permita deixar sua mente descansar por um instante e não pretendo dizer-te com você deve fazer isso, sua mente é única e você sabe a maneira como você relaxa melhor do que ninguém.

Não estou dizendo que você deva ir viver de tanguinha dentro do mato, a não ser que você queira é claro, a escolha é sua. Mas um estudo da Universidade da Virgínia, nos Estados Unidos, concluiu que as informações captadas até duas horas antes de ir dormir são as informações que mais influenciam na qualidade do sono das pessoas e as informações processadas na primeira hora do seu dia influenciam o seu humor durante o dia inteiro.

Quando eu li isso, eu lembrei de um ensinamento muito presente na infância de toda criança católica que infelizmente vem sendo deixado de lado e esquecido nos dias atuais em muitos lares “católicos” (sim coloco entre aspas, se você deixa a tradição da igreja, você está deixando a Igreja), falar com Deus antes de ir dormir e ao acordar, aquela oração mesmo que breve pedindo ao nosso anjo da guarda que nos protegesse enquanto dormíamos que fazíamos quando criança, aquele Pai Nosso rezado logo ao acordar entregando a Deus nosso dia que fazíamos, mas que nossas vidas de jovens descolados e adultos ocupados nos fizeram acreditar que não havia mais espaço para fazer, elas podem fazer muito mais bem para nossos corpos e nossos emocionais do que dormir com o smartphone na cara e já acordar conferindo as notificações antes mesmo de sair da cama. Isso tudo se você estiver apenas procurando benefícios imediatos e não se preocupar com o benefício eterno que a oração pode trazer a sua alma, coisa que eu espero que você não ignore.

Pensando nessas coisas, eu dou certeza a minha mãe de fato tudo demais faz mal e para nossa sorte

“Deus se oferece a cada um de nós na medida certa”

Só precisamos aceitar, que Ele está ali esperando para que O percebamos e permitamos que Ele se faça presente em toda nossa vida, do dormir ao acordar, em qualquer que seja o detalhe.

Percebam Deus nos pequenos detalhes.

Graça, Paz e Misericórdia.