Ouça aqui e compartilhe

B – Í – B – L – I – A é o livro do meu Deus, 

B – Í – B – L – I – A é o livro do meu Deus, 

B – Í – B – L – I – A é o livro do meu Deus, 

Eu guardo no meu coração B – Í – B – L – I – A.

Esse refrão pertence a um hino muito conhecido no Brasil que eu já presenciei ser cantado em uma variedade de igrejas cristãs diferentes, fez inclusive parte de muitos encontros de catequese quando eu era criança. Muito embora eu o considerasse muito irritante por ser repetitivo (eu nunca disse que fui uma criança normal) as outras crianças gostavam e pelo que acompanho muitas gostam até hoje.

Mas uma coisa é inegável, ficou na minha cabeça até hoje, pois foi umas das primeiras coisas que eu lembrei quando recebi a sugestão de falar sobre a bíblia. No Brasil a igreja Católica dedica o mês de setembro a bíblia, é muito natural observar em várias paróquias momentos destacados para a bíblia, seja com sua entrada solene (outras entradas nem tão solenes assim) durante a santa missa, seja destacando um local da igreja para coloca durante esse período.

Isso acontece especificamente no mês de setembro por causa de um grande santo chamado São Jerônimo que tem sua festa no calendário litúrgico no dia 30 de setembro. São Jerônimo foi um grande biblista responsável por traduzir dos originais em hebraico e grego para o latim a língua mais falada da época, tornando possível também a maior parte das traduções que tronaram o texto sagrado acessível a muitas pessoas. Antes que você pense que o feito de São Jerônimo não foi lá grandes coisas, vale lembrar que ele viveu entre os anos de 340 a 420 d.C. nessa época não existia sequer dicionário, tão pouco Google Tradutor.

Contudo a igreja sempre destaca que o mês dedicado a bíblia não é dedicado ao objeto em sim, mas sim o mês dedicado a nos aprofundarmos em seus ensinamentos. A final de contas, a bíblia pode ser vista de várias maneiras, sendo ela como um conjunto de livros fazendo alusão a uma biblioteca como a origem do seu nome sugere, seja como o maior Best Seller de todos os tempos, pois já deixaram de incluir a bíblia sua lista de mais vendidos porque ela sempre figurava no topo da lista quando era colocada. Seja como um livro de importância histórica inigualável, ou como o livro mais traduzido do mundo e de tantas outras maneiras, mas para um católico, a bíblia só tem valor pela Palavra do Deus Vivo, não o objeto em si ou por seu sucesso editorial enquanto livro.

No mês de setembro, naturalmente, surgem cursos bíblicos para estudar a bíblia mais profundamente durante o mês, propostas para ler e meditar um capítulo por dia, de ler um livro completo durante o mês, desafios de leitura diária e tantas outras coisas mais, a própria CNBB promove esse tipo de ação para o estudo mais aprofundado da palavra, este ano sugerindo o livro do Deuteronômio. Considero todas essas iniciativas maravilhosas, não me oponho a nenhuma delas (a final quem sou eu para me opor a alguma coisas kkkkk), mas se você não consegue realiza-las ainda não é o fim do mundo para você. 

Primeiro de tudo, se você acredita que o mês para meditar a Palavra de Deus todos os dias é apenas setembro, faça uma pausa e respire fundo. Agora busque a liturgia diária, pois a igreja já tem tudo preparado para você ler e meditar todos os dias do ano. 

Segundo, se você lê mas não consegue entender o quê leu, a igreja está aí para ajudar, seja na sua paróquia, seja com livros de santos ou na internet você encontra com facilidade padres que realizam a medicação diária (eu recomento o padre Paulo Ricardo, diariamente ele reflete a palavra de maneira direta e rápida, dez minutos por dia e você vai se acostumar, mas leia o texto do dia antes de ouvi-lo é claro). 

Terceiro, vai devagar, você não precisa chegar na sétima morada no primeiro dia. A primeira coisa que você precisa ter em mente para seu caminho espiritual se tornar fecundo é que um dos motivos para Santa Tereza de Jesus se referir a sétima morada é porque existe uma primeira. Tudo bem ir devagar, pois rapidez não quer necessariamente dizer qualidade, até a santa mãe Igreja tem em seu calendário litúrgico vários tempos, entre eles está o tempo da espera. 

Quarto, antes de você se jogar nessa jornada maravilhosa de se tornar um profundo conhecedor da bíblia pergunte a si mesmo, como está sua fé na igreja? Isso mesmo, como está sua fé na igreja? O maior erro que um católico pode comer ao decidir se debruçar sobre a sagrada escritura é buscar nela motivos para crê na igreja, nestes momentos faço coro com Santo Agostinho.

“Ego vero Evangelio non crederem, nisi me catholicae Ecclesiae commoveret auctoritas, “Quanto a mim, não acreditaria no Evangelho se não me movesse a isso a autoridade da Igreja católica”.

(Contra Epistulam Manichaei quam vocant fundamenti, V, 6).

Mas calma, eu explico o porque, o centro da nossa fé é a palavra de Deus, mas não podemos confundir a palavra de Deus com um livro, que nesse caso é a bíblia, nos referimos a bíblia como a palavra de Deus porque ela, a palavra, está contida ali, mas não é ela em si. 

Pense comigo, você tem uma opinião pessoal sobre alguma coisa e decide fazer um vídeo sobre isso e colocar nas redes sociais, todos que assistirem o seu vídeo podem dizer que aquelas palavras são suas, mas ninguém pode levar o seu vídeo para uma festa de aniversario e dizer que você compareceu. Isto porque correto é dizer que é você naquele vídeo e não que o vídeo é você.

O mesmo acontece com a nossa fé, nossa fé está baseada na palavra, mas a palavra é Jesus, lembrem que “o verbo se fez carne a habitou entre nós” (Jo 1,14a), Jesus que é a palavra viva, fundou a igreja (Mt 16, 8) confiando aos apóstolos a responsabilidade de transmitir a palavra, só depois pela graça do Espírito Santo foram definidos os livros sagrados, isso mais precisamente no concílio de Hipona no ano de 387 d.C. E por isso um católico primeiro precisa crê na igreja, uma, santa, católica e apostólica com se professa em nossa fé, para depois se debruçar sobre as sagradas escrituras, ou você acreditaria no que foi escrito por alguém que você não acredita? 

Quinto, já nos mostrou Santo Inácio de Loyola por meio dos exercícios espirituais, que podemos começar aos poucos, mas vivendo sempre. Pouco importa se você sabe o catecismo por inteiro, ou se já decorou a doutrina social da igreja, se sabe recitar vários versículos ou até capítulos inteiros da bíblia, se você não vive, pare e volte duas casas. É evidente que algo de errado não está certo, nesse aspecto vale lembrar, antes de começar busque se reconciliar com Deus, se as salas dos cursos bíblicos e dos grupos de oração estão cheios e os confessionários vivem vazios, é sinal de alerta claro de que a Palavra de Deus esta sendo semeada em terreno infértil (Mt 3, 13). 

Quinto, se você, assim como eu, não tem muita dificuldade com nenhuma dessas coisas, mas conhece alguém que tem, ajude o irmão, de nada vale a Palavra que você esconde dentro de si, uma lâmpada não foi feita para ficar acessa debaixo da mesa (Lc 8, 16), mas cuidado, não pense que você se tornou o próprio São Gabriel Arcanjo só por isso, lembre-se que Deus busca humildade no coração de seus servos (Lc 1, 47) e não se frustre se não conseguir o resultado que você espera, quem dá a graça é Deus, nós somos apenas instrumentos e é preciso ter o coração aberto e confiar sempre que a Palavra Dele agirá (Is 55, 11). 

Desejo-lhe um fecundo mês de aprofundamento bíblico, que a sagrada escritura vos auxilie a perceberem Deus nos pequenos detalhes. 

Graça, Paz e Misericórdia.