Ouça aqui e compartilhe

Em 2015 quando o Papa Francisco publicou a encíclica Laudato si’ o mundo católico, muitas outras profissões de fé e até pessoas e movimentos de credo não professado se debruçaram sobre o texto. A responsabilidade com a casa comum, que levantava preocupações para como todos nós deveríamos cuidar do nosso planeta era o tema central o texto. 

Embora muitos veículos de informação, talvez pouco familiarizados com a tradição da igreja tenham noticiado a Laudato si’ como algo inédito que nenhum papa tivera antes coragem de se pronunciar, o próprio papa Francisco elencou na encíclica textos e ações de alguns de seus predecessores, citando nominalmente logo em seu início os papas Beato Paulo VI, São João Paulo II, Bento XVI.

Ao passo em que uma das primeiras coisas que a Laudato si’ nos ensina é que a preocupação da igreja com a responsabilidade para com o meio ambiente não é nova e não surgiu do nada. Ela também injetou novo fôlego ao debate, gerando após sua publicação em 2015 muitos congressos, eventos, assembleias, palestras, ações de ativistas, atividades de movimentos e tantas outras coisas mais foram sendo realizadas.

Quando eu era criança, no mínimo uma vez por semana minha mãe mandava eu varrer a entrada de casa. Com o tempo passamos a criar um cachorro e todos os sábados pela manhã antes que eu fosse para a igreja eu limpava a entrada da casa, dava banho no cachorro e lavava a garagem. 

Durante um tempo minha vó veio morar conosco e começou a acompanhar essa rotina. Em uma semana específica, eu estava me preparando para conduzir um retiro de catequese que começaria na sexta à noite e ela me viu dando banho no cachorro nunca quinta-feira, brincou comigo e disse que no sábado lavaria a calçada já que eu não estaria em casa. Coincidência ou não, choveu muito naquele final de semana e quando eu cheguei no domingo à noite ela disse que estava tudo lavado. Eu sorrir e disse que ela tinha usado muita água para lavar que acabou lavando a rua inteira, mas foi aí que ela respondeu,

“Você lavou esse tempo inteiro a parte que lhe foi confiada, quando foi prestar conta a Ele, Ele veio e lavou tudo, você cuida de um pequeno espaço, Ele cuida de tudo”.

Hoje pela manhã eu estava na casa da minha mãe quando uma equipe de limpeza urbana surgiu no início da rua, a equipe veio limpando a rua, retirando o lixo, cortando os capins e varrendo. Eles vinham avançando e um dos trabalhadores simplesmente passou direto pela frente da casa, cumprimentou-me com um “bom dia” e seguiu para a próxima casa. 

Naquele momento eu fiquei parado na calçada sem entender, achei um absurdo, eles estariam pulando algumas casas para fazer o trabalho andar mais rápido? Minha quase revolta não durou nem dois minutos enquanto colocava água na planta, percebi que não tinha capim a ser cortado, não tinha lixo a ser retirado, percebi que eu mesmo já tinha varrido a porta para começar a trabalhar. 

Foi nesse momento que percebi o quanto errado estava meu julgamento para com os trabalhadores, pedi perdão a Deus por aquilo em silêncio e ofereci água a eles. Enquanto lhes servia água recordei-me dessa história com minha vó e pensei nas várias iniciativas ecológicas que conheço, sejam elas frutos da Laudato si’ ou não, todas são muito válidas. Mas se você ainda não pode fazer nenhuma delas, comece limpando a sua porta, a casa comum não é composta apenas pela Amazônia, pelo Pantanal, pelo Cerrado, pelo Manguezal ou pela Mata Atlântica, comece a cuidar da casa comum em qualquer lugar, começando pelo lugar no qual você está agora, pelo meio ambiente que está a sua frente. 

Para evitar que aquele plástico entre no bueiro, ou que aquele lixo atraia bichos, você não precisa esperar que o poder público envie uma equipe de limpeza, você pode começar cuidando no básico e se a equipe de limpeza pular a sua porta quando passar, não cometa o mesmo erro que eu, não julgue o trabalho dos outros. Esses trabalhares fazem o seu melhor para que vivamos melhor, então seja simpático, ofereça um pouco d’água fria, assim você já estará ajudando a criar um mundo melhor para as próximas gerações. 

Percebam Deus nos pequenos detalhes.

Graça, Paz e Misericórdia.