Ouça aqui e compartilhe

Sobre a síndrome de Cassandra

De acordo com a antiga mitologia grega, Cassandra era filha de Príamo o rei de Troia, o deus Apolo se apaixonou por ela e para demonstrar seu agrado, ele lhe concede o dom da profecia, mas Cassandra não corresponde aos sentimentos amorosos de Apolo e ele percebendo isso a amaldiçoa, fazendo com que todas as suas profecias, avisos e predições sejam sempre tidas como mentiras e a tornando incapaz de comprovar validade de suas visões. 

É dessa história da mitologia grega que surge a expressão síndrome de Cassandra, tomando como base a mitologia para explicar um fenômeno onde a pessoa passa por mentirosa sempre que busca aconselhar ou quando é constantemente ignorada quando busca fazer o bem. 

Não por acaso, celebramos o nascimento do menino Jesus na sexta-feira, dia 25 de dezembro, mas logo em seguida na segunda-feira, dia 28 de dezembro, celebramos os Santos Inocentes em memória de todas as crianças com dois anos ou menos que foram mortas a ordem do rei Herodes que buscava matar o menino Jesus. 

Hoje, quarta-feira, 30 de dezembro, o sexto dia da oitava de Natal, os meios de comunicação estão inundados de conteúdo sobre a legalização do aborto na Argentina, as opiniões divergem bastantes entre todos, é curioso como entre as feminista não há consenso sobre a decisão, há quem diga que é uma vitória, outras dizem ser irrelevante, outras dizem ser um retrocesso do objetivo original do movimento. Em todos os meios que tive acesso a conteúdo as divergências são as mesas, entre membros da comunidade LGBTQA+, dos espiritas, da umbanda, dos ateus, dos agnósticos entre outros. 

O que me desperta preocupação é que tal divergência exista entre os católicos, nesse aspecto só tem uma coisa a dizer, se você é católico e defende o aborto, você precisa urgentemente se arrepender, buscar a confissão e conhecer melhor a igreja de Cristo. Mas se você é católico e não caiu nesse erro, você como eu, precisa saber, a estatística populacional mostra que a culpa é nossa, pois permitimos que eles atacassem a igreja de Cristo com a síndrome de Cassandra. 

Para você entender isso de maneira fácil, lhe proponho um exercício rápido de pesquisa, busca na internet quais são os países onde o aborto é legalizado, caso você não saiba a maior parte da lista será de países cristãos. Aí fica a curiosidade, como países de maioria cristã permitiram isso? Eu tenho duas explicações, uma é a síndrome de Cassandra, a final, quantas vezes você não ouviu coisas como:

“Esse texto é de 3 mil anos atrás, hoje o mundo é outro”

“Não podemos viver como se estivéssemos na idade média, os tempos são outros”

“O papa manda em Roma, não aqui”

(Essa fala é do Rei Henrique VIII, pode pesquisar).

“A igreja diz isso porque o Papa é homem”

“Essa é uma mentalidade patriarcal”

“O estado é laico”

“Meu corpo, minhas regras” 

“Se tem amor, que mau tem?”

Eu poderia relatar aqui uma infinidade de frases que foram se espalhando pela igreja nos últimos tempos, assim como poderia argumentar a respeito dos males que cada uma delas traz em sua essência. Mas sabe o que todas elas têm em comum? Elas têm em comum a deliberada intenção de fazer parecer que a igreja mente e tem por traz de seus ensinamentos apenas seus próprios interesses, que o bom conselho pela igreja oferecido não é bom e nós católicos saímos espalhando essas ideias dentro da igreja a ponto de entre nós discutirmos se é certo ou errado legalizar o aborto. 

O fato muito simples é que se você é católico, você não precisa debater algo assim para se sentir descolado na rodinha, professar a fé católica é ser contra o ato, ser contra a legalização do ato, ser contra políticas publícas que fomentem ou facilitem o ato e é ser o primeiro a estender a mão para uma mãe que tenha cometido esse erro, acolher, orientar e amar. 

Somente se nos tornarmos católicos de verdade, seremos capazes de afastar a síndrome de Cassandra da igreja, permitindo que o bom conselho seja ouvido de verdade. Caso contrário, a minha segunda explicação é igualmente simples, somos incapazes de acolher o bom conselho, porque ele tira o nosso conforto. 

Proponho um segundo exercício simples, pesquise a seguinte frase “benefícios do aborto” leia os resultados e depois digite “malefícios do aborto”, uma comparação rápida vai lhe mostras duas coisas, sempre entre os benefícios estarão questões socioeconômicas como a criação de clínicas, a diminuição dos gastos com saúde pública e o controle populacional, mas do lado dos malefícios estão questões de saúde física e emocional da mulher. Podem embelezar da forma que for necessário, mas se estamos fazendo essa escolha conscientemente, na prática estamos escolhendo o conforto que poder matar traz em detrimento do bom conselho de preservar a vida. 

Se for esse o caso, a igreja não sofre da síndrome de Cassandra, é o povo que sofre da síndrome de Narciso, neste caso, acredito que você já deva saber o fim de Narciso e consequentemente já deve imaginar o nosso, se seguirmos o mesmo caminho vaidoso de pensar apenas em nós mesmos. Lembremos que foi na oitava de Natal que a vaidade de Herodes o fez matar milhares de crianças, quantos outros milhares precisam morrer para manter a vaidade dos dias atuais? 

Santos Inocentes, rogai por nós.

Percebam Deus nos pequenos detalhes.

Graça, Paz e Misericórdia.