Ouça aqui e compartilhe

Qual o seu projeto de família? 

Muitos ficam inquietos quando ouvem essa pergunta e logo começam a espernear se defendendo do que não foram acusados com justificativas comuns e das mais hilárias se decidirmos refletir um pouco sobre elas. 

“Não existe modelo de família”

Com a licença poética do riso, sim o modelo existe, por mais que por algum motivo você não goste, o modelo é pai, mãe e filhos. É claro que pode haver famílias sem pai, sem mãe, sem filhos, pode ser que tenham dois pais, duas mães, pai e madrasta, mãe e padrasto e por aí vai. Mas essas são as exceções que provam a regra e não a variedade que prova a ausência da regra. 

A maior prova disso, vem dos argumentos utilizados pelos próprios defensores de que não há modelo de família. Um argumento comum dos defensores dos casais gays é dizer que eles adotaram uma criança que um casal abandonou, apontando com veemência o erro do casal.

De fato, abandonar uma criança é um pecado gravíssimo e não há justificativa que amenize tal erro. Mas ao apontar esse erro, evidência que para a exceção existir (o casal que adota) é preciso existir a regra (o modelo de família). 

Temos também os mais abastados e adeptos da ciência reprodutiva, que apontam procedimentos como a inseminação artificial como uma prova de que uma mulher pode constituir família sem ter um marido. Não precisa ser nenhum gênio para saber que sim ela pode, mas é importante perceber que o espermatozoide inseminado nela não surgiu do nada, logo ela pode não precisar de um marido, mas precisa de um homem que produza o esperma com o qual ela será inseminada, o que mais uma vez prova que o modelo existe. 

Em contra partida desse tipo de posicionamento, estão os “super santos”, aqueles que acreditam que a qualquer custo todos devem ter uma família numerosa.

É claro que uma família numerosa é o que Senhor deseja para nós (Gn 9, 7), mas Ele nos alerta que isso não é para todos, existem exceções (Mt 12, 19) e a violência com a qual esses “super santos” desejam que todos sejam iguais não condiz com a vontade de Deus, não condiz com natureza humana e não condiz com a fé católica.

A santidade não consiste em impor uma lei pesada sobre os outros, pelo contrário o fardo que Nosso Senhor nos impõe é leve (Mt 11, 25), a santidade de uma família está em ter Jesus como centro dela. 

Então diante da pergunta sobre qual é o seu projeto de família, não sofra por antecipação, tenha sim um projeto, não se pode viver largado como uma folha que se leva pelo vento sem direção. Mas acima de tudo, entregue esse projeto nas mãos de Deus, para que ele possa aprimorá-lo, peça a Ele que seu projeto seja fruto da vontade Dele e tudo acontecerá. 

Talvez você gere 10 filhos, quem sabe você adote outros 10, pode ser que os tenha como filhos espirituais, talvez você sequer se case. No fundo não importa como você viverá a família na terra, desde que a maneira como ela foi estruturada seja a vontade de Deus, pois assim todos seremos família numerosa diante de Deus que é nosso Pai na eternidade.

Percebam Deus nos pequenos detalhes 

Graças, Paz e Misericórdia.