Ouça aqui e compartilhe

Não tenho orgulho de onde chegamos pois a tanto a ser feito e tanto sobre o qual não podemos fazer nada a respeito, esse navio não foi escolhido por acaso, quando estamos no meio do oceano facilmente podemos lembrar o quanto somos pequenos, mas mesmo tão pequenos diante da grandeza da criação de Deus, nós continuamos flutuando em alto mar. Diante de tantas tragédias, maldades e destruição que encontramos no mundo, o que poderíamos fazer? Eu vos digo que podemos fazer tudo, podemos mudar uma vida de cada vez, com certeza não viveremos para ver esse mundo mais bonito, mas se durante essa vida cada um de nós for capaz de salvar uma outra vida, com certeza todos nós nos encontraremos noutra vida em um mundo governado pelo amor de Deus.

Eu cresci em um lixão, o lixo de outros era o meu alimento de cada dia, meu vestir de cada dia, meu dormir de cada dia, mas eu nunca perdi a esperança, no antigo testamento Deus permitiu que o diabo tirasse tudo de Jô mas que não lhe tirasse a vida afim de testa-lo para ver até onde ia sua fé, mas mantendo a vida de Jô, Deus nos ensina que nada pode ser mais valioso do a vida. Deus pediu a Abraão a vida de seu filho para testar a sua fé, mas enviou seu anjo para garantir que Abraão não fizesse nenhum mau a seu filho Isaac, nos ensinando que o valor de um filho para seus pais é imensurável. No novo testamento, Deus quis fazer conosco uma aliança eterna de amor e por isso nos enviou seu filho único Jesus Cristo, não há sacrifício maior do que o Dele por nós, para que aprendamos que nenhum novo sacrifício de sangue precisa ser feito.

Assim é objetivo desse navio, oferecer o nosso melhor para Deus, dedicando nossas vidas a evitar que o maior número de crianças que conseguirmos tenha seu sangue derramado, seja ainda nos úteros de suas mães ou fora deles. Quando eu apresentei essa proposta para os meus amigos mais próximos, a maior parte deles disseram que eu era louco, que eu estava entrando em algum tipo de seita, que estava buscando reviver costumes antigos que a sociedade já havia rejeitado. Mas assim como uma humilde professora que chorava a morte de seu filho a beira da estrada a décadas atrás decidiu me adotar e fazer de mim o homem que sou hoje, cada um de nós pode estender a mão a alguém, não precisamos de muito para fazer a diferença na vida de alguém, precisamos de amor e amor o Criador nos oferece em abundância.

Aqueles poucos que não me consideraram louco no início, me consideram louco agora, mas nunca foram embora, não por mim, não pelas crianças, mas esse Deus grandioso que nos guia sempre, tivemos a honra de receber e hospedar em nosso navio um santo que nos abençoou, quando vocês estiverem saindo daqui, passem pela porta central, por ali passou um homem, um papa, um santo. Foi ele quem nos disse “o futuro da humanidade passa pela família. Só ela salva.” e nos pediu para continuar lutando contra essa cultura da vida descartável, porque não estamos aqui apenas para salvar a vida de crianças, estamos aqui para tentar salvar famílias inteiras. Hoje vocês são enviados de volta a suas casas, as suas famílias, diferentes de como embarcaram aqui, agora com a graça de Deus e a certeza de que não estão sozinhas saibam que continuaremos fazendo o que o Senhor nos permitir para que sejamos salvos pela família, até que as nossas famílias sejam santas, como a mais sagrada das famílias é. 

Esse texto faz parte do livro Treze Semanas, de CordCesar que será lançado no mês de setembro, apoie as ações do semnome.org comprando o livro e tenha a sua disposição uma história diferente que lhe entretém sem se afastar dos preceitos da fé.

Percebam Deus nos pequenos detalhes. 

Graça, Paz e Misericórdia.