São Paulo Apóstolo
São Paulo Apóstolo

Colunas

De início eu aviso

Que no final há um pedido

Se não quiser correr o risco

Não leia o que está escrito

Se ainda segue lendo

Aqui sela um compromisso

De fazer algum esforço

Em realizar o que digo

Chega a ser curioso

O que Deus faz conosco

Quando Ele nos encanta

Fazemos tudo com gosto

Ele muda os nossos planos

Refaz e deixa primoroso

Não limita quem somos

E melhorar os nossos gostos

Ele não faz distinção

De nossa raça ou educação

Apresento-lhe exemplos

De grande comprovação

Primeiro Ele escolheu Pedro

A quem deu uma grande missão

Edificar a Tua Igreja

Veja! Um homem sem instrução

Por último escolheu Paulo

Que tinha grande formação

Para pregar o evangelho

A toda e qualquer nação

Apóstolos tão diferentes

Ambos tinham limitações

Mas possuíam a mesma força

De Jesus no coração

Fortes colunas da Igreja

Santos de célebre devoção

Juntos sustentam a Igreja

Pela fé e pregação

Com o exemplo desses homens

Eu peço sua atenção

Chegaste até aqui

Não ignore sua vocação

Se eles se tornaram Santos

A você pergunto por que não?

É isso que eu te peço

Que a santidade busque então

É claro que não é fácil

Mas não está sozinho irmão

Pela intercessão de Pedro e Paulo

Jesus segura a tua mão

São Pedro e São Paulo, colunas da Igreja de Cristo, rogai por nós!

Percebam Deus nos pequenos detalhes.

Graça, Paz e Misericórdia. 

Espada

Aquele que nunca pecou

Que atire a primeira pedra

Ensinamento conhecido

Que exige reflexão sincera

Acreditar que agrada a Deus

É diferente de agradar

Mas nem sempre é fácil

O erro identificar

Um jovem determinado

A Deus glorificar

Perseguia a Igreja

Para na fé perseverar

Numa viagem com essa

Intenção de agradar

Perseguia e matava

Todos que podia achar

Foi no caminho para Damasco

Que Jesus veio lhe falar

“Porque Me persegues?”

Saulo O ouviu perguntar

Do cavalo caiu cego

E questionava sem parar

Para uma luz resplandecente

Que o fizera assustar

Quem és Tu Senhor?

Pois ele ainda não sabia

Que Aquele era Jesus

A quem tanto ele perseguia

O que queres que eu faça?

Perguntou ele sem medo

Pois em seu coração

Ardia um forte desejo

Desejo de servir a Deus

E disto ele não tinha medo

Saulo tornou-se Paulo

O apóstolo derradeiro

Levou a fé ao povo

Em tantos cantos esquecidos

Pregador de língua afiada

Basta ler os seus escritos

Jesus mudou sua vida

De perseguidor a perseguido

E o mais curioso

É que temos que agradecer por isso

Porque quando estava preso

Escrevia aos amigos

São tantas as suas cartas

Que a Igreja organizou em livros

Combateu o bom combate

Até o fim da corrida

Condenado a perder a cabeça

A fé nunca perdeu na Justiça

São Paulo, rogai por nós!

Percebam Deus nos pequenos detalhes.

Graça, Paz e Misericórdia. 

O quê queres que eu faça?

Todos os dias vemos novas notícias surgirem, são tantas as pessoas, movimentos, grupos organizados, políticos, veículos de mídia e etc que se posicionam e expressam seu descontentamento com a igreja e ditam como acreditam que ela deveria ser, como ela deveria agir, como ela deveria ser organizada, quais regras deveriam adotar. Todos fazem essas coisas como se estivessem sendo revolucionários, arautos dos novos tempos que no final das contas querem a mesma coisa que muitos outros antes deles desejaram, querem que a igreja se molde aos seus modismos e vontades.

Chama a minha atenção que estes que desejam tantas mudanças na igreja, quase sempre não são católicos, porque se você se considera católico não praticamente, permita-me dizer uma coisa, você está na lista de não católicos, não existe católico sem prática. São Tiago já nos orientou bem claramente a esse respeito.

“Porque, assim como o corpo sem o espírito está morto, assim também a fé sem obras é morta.” (Tg 2,26).

A igreja não se molda a vontade dos tempos, tempos vem e vão, os modismos com a mesma velocidade que surgem, também desaparecem. Mas a igreja em seus dois mil anos continua sustentada pelo firme tripé da Sagrada Escritura, Sagrada Tradição e Sagrado Magistério. Se formos a história dos Santos, facilmente perceberemos que nenhum deles se tornou exemplo de santidade porque mudou a igreja, eles se tornaram santos por fazerem justamente o contrário, eles mudaram pela igreja, a fé que eles receberam da igreja os transformaram profundamente.

Essa transformação não surgiu do nada, quem deseja que a igreja mude para atender seus modismos e suas vontades, pouco ou quase nada conhece da igreja. Precisamos buscar conhecer a igreja na qual professamos a fé de maneira mais profunda, precisamos compreender que conhecer não é apenas ouvir falar, não é apenas ler, também não é apenas praticar.

Saulo de Tarso por exemplo, era um grande estudioso, conhecia as escrituras, as lia regularmente, observava os preceitos da fé judaica e fazia tudo que estava a seu alcance para agradar a Deus. Progredia na fé mais do quê qualquer outro de sua idade, mas ainda lhe falta algo.

Quantas pessoas não conhecemos assim em nossas paróquias, inteligentes, habilidosas, dedicadas, que se destacam nos grupos e pastorais, mas por algum motivo lhes falta algo. Quantas vezes nós mesmo não agimos assim?

Em uma época onde todo mundo escreve e pública o que bem entender, onde todos se consideram especialistas em alguma coisa, a missão da igreja de guardar a verdade é ainda mais desafiadora. E nossa responsabilidade enquanto cristão é seguir essa verdade, precisamos abraçar o hábito da liturgia diária, precisamos retornar ao catecismo, precisamos ler os ensinamentos dos santos doutores da igreja, para que nosso processo de conversão seja um processo consciente, mas sempre fundamentado na humildade.

Algo que sempre me chama a atenção ao pensar na conversão de São Paulo é o fato de como ele sabia tanto e diante de Deus ele não sabia nada.

“E ele disse: Quem és, Senhor?” (At 9, 5a).

Ele que tanto sabia das escrituras, diante de Deus era um nada, incapaz sequer de compreender quem Ele era. Mas a sabedoria que tinha ele soube colocar a disposição, reconhecendo o senhorio de Jesus sobre ele, permitindo que Jesus dissesse o que ele deveria fazer.

“E ele, tremendo e atônito, disse: Senhor, que queres que eu faça?” (At 9, 6a).

São Paulo, que junto com São Pedro, o primeiro papa a quem Jesus confiou sua igreja (Mt 16,18), são as colunas da santa mãe igreja, não desejaram mudar a igreja que Jesus edificou, eles a sustentaram. Mesmo diante das perseguições e das pressões dos poderosos de seu tempo. Que nós possamos também seguirmos o exemplo de São Paulo e verdadeiramente nos convertemos, conhecendo a fundo a igreja de Cristo e com humildade aceitarmos a vontade Dele revelada, termos coragem mudar a nós mesmos e a Ele e a tua igreja apenas perguntar “o que queres que eu faça?”.

São Paulo Apóstolo, Rogai por nós!

Percebam Deus nos pequenos detalhes.

Graça, Paz e Misericórdia.