Ouça aqui e compartilhe

Uma semana atrás eu aceitei caminhar um trajeto de 6,5 km, não foi uma caminhada qualquer, era uma procissão. Uma procissão que teve seu início às 5h da manhã e o horário não foi um fator limitante para que um número grande de fiéis de todas as idades estivesse lá para acompanhar.

Gosto de acompanhar procissões em silêncio, fazendo minhas orações e contemplando o momento que Deus proporciona. Ele nunca desaponta e se apresenta das mais diversas, belas e inesperadas formas. Se não bastasse esse lindo nascer do sol aí registrado, dentre tantos pequenos detalhes, Deus gritou do meu lado durante o caminho.

Eu quero descer! Eu quero pegar uma folha!

Aquela voz era Deus gritando, Ele só queria chamar nossa atenção para o que iria dizer em seguida, mas eu não sabia disso ainda. Talvez nem a mãe daquela criança sabia o que ouviria em seguida quando respondeu.

Não vai pegar nada não, se comporte, se não…

A criança ficou quieta rapidamente, toda criança sabe bem o que significa um “se não…” de sua mãe, vocês já devem ter pensado em algumas possibilidades. Mas a criança não se conteve muito tempo e começou a se mexer inquieta no braço da mãe, a mãe muito habilmente apontou para a camisa de um rapaz em meio a procissão e disse a seu filho.

Está vendo aquele? Aquele é Jesus menino, Ele sempre obedecia sua mãe e se comportava. Você deve ser igual a Ele, deve buscar o exemplo de Jesus menino. Para ser um bom filho e agradar a Papai do Céu precisa imitar Jesus menino.

Parecia um ensinamento simples e bonito, mas como eu disse antes, Deus estava se preparando para falar e seria aquela criança o instrumento Dele antes mesmo do sol nascer. A criança ficou quieta mais uma vez, tão quieta como quando a mãe disse “se não…”, caminhamos um pouco e a criança perguntou.

Mãe a senhora vai imitar Maria?

O meu corpo tremeu todo quando eu ouvi aquela pergunta, eu não tinha certeza se era para valer aquilo, então olhei para o lado e a criança estava no colo da mãe olhando na direção do andor com a imagem de Nossa Senhora Aparecida. A mãe não respondeu nada e a criança insistiu.

Aí podemos fazer a imitação juntos, eu imito Jesus e a senhora imita Maria, porque se eu imitar Jesus sozinho, quem vai ser a minha mãe?

A mãe inclinou a cabeça do filho em seu peito e não respondeu nada, mas percebeu que eu estava olhando. Sendo sincero não tinha como não notar, eu estava quase em transe com as palavras que aquela criança tinham acabado de pronunciar, o desafio que ela propôs para a mãe eram de uma sabedoria que me deixou arrepiado. Mas ao me olhar a mãe acenou com a cabeça e deu uns paços para o lado, aproximou-se de mim e falou.

Reze por mim.

Eu fiz um sinal positivo com a cabeça e seguimos a procissão em silêncio.

Passei a semana inteira meditando sobre isso, quem é o meu exemplo? Quem eu estou tentando imitar? Será que estou esperando dos outros um exemplo incompatível com o exemplo que estou oferencendo? Tantas vezes estamos ávidos e preparados para dizer como os outros deveriam viver suas vidas, mas como nós vivemos as nossas?

De fato precisamos de mais mães seguindo o exemplo de Maria, precisamos de mais filhos seguindo o exemplo de Jesus, precisamos de mais país seguindo o exemplo de José. Em cada segundo de nossas vidas somos chamados a viver estes e muitos outros exemplos de vida e de santidade, mas vez ou outra, Deus chama nossa atenção e com voz de criança nos questiona e convida-nos pensar. Então eu estendo esse convite a vocês, pense um pouco sobre isso e conte para Ele.

Você está imitando quem?

Percebam Deus nos pequenos detalhes.

Aleluia! Aleluia! Aleluia!

Feliz Páscoa!

Graça, Paz e Misericórdia.