Catolicismo
Catolicismo

O quê queres que eu faça?

Todos os dias vemos novas notícias surgirem, são tantas as pessoas, movimentos, grupos organizados, políticos, veículos de mídia e etc que se posicionam e expressam seu descontentamento com a igreja e ditam como acreditam que ela deveria ser, como ela deveria agir, como ela deveria ser organizada, quais regras deveriam adotar. Todos fazem essas coisas como se estivessem sendo revolucionários, arautos dos novos tempos que no final das contas querem a mesma coisa que muitos outros antes deles desejaram, querem que a igreja se molde aos seus modismos e vontades.

Chama a minha atenção que estes que desejam tantas mudanças na igreja, quase sempre não são católicos, porque se você se considera católico não praticamente, permita-me dizer uma coisa, você está na lista de não católicos, não existe católico sem prática. São Tiago já nos orientou bem claramente a esse respeito.

“Porque, assim como o corpo sem o espírito está morto, assim também a fé sem obras é morta.” (Tg 2,26).

A igreja não se molda a vontade dos tempos, tempos vem e vão, os modismos com a mesma velocidade que surgem, também desaparecem. Mas a igreja em seus dois mil anos continua sustentada pelo firme tripé da Sagrada Escritura, Sagrada Tradição e Sagrado Magistério. Se formos a história dos Santos, facilmente perceberemos que nenhum deles se tornou exemplo de santidade porque mudou a igreja, eles se tornaram santos por fazerem justamente o contrário, eles mudaram pela igreja, a fé que eles receberam da igreja os transformaram profundamente.

Essa transformação não surgiu do nada, quem deseja que a igreja mude para atender seus modismos e suas vontades, pouco ou quase nada conhece da igreja. Precisamos buscar conhecer a igreja na qual professamos a fé de maneira mais profunda, precisamos compreender que conhecer não é apenas ouvir falar, não é apenas ler, também não é apenas praticar.

Saulo de Tarso por exemplo, era um grande estudioso, conhecia as escrituras, as lia regularmente, observava os preceitos da fé judaica e fazia tudo que estava a seu alcance para agradar a Deus. Progredia na fé mais do quê qualquer outro de sua idade, mas ainda lhe falta algo.

Quantas pessoas não conhecemos assim em nossas paróquias, inteligentes, habilidosas, dedicadas, que se destacam nos grupos e pastorais, mas por algum motivo lhes falta algo. Quantas vezes nós mesmo não agimos assim?

Em uma época onde todo mundo escreve e pública o que bem entender, onde todos se consideram especialistas em alguma coisa, a missão da igreja de guardar a verdade é ainda mais desafiadora. E nossa responsabilidade enquanto cristão é seguir essa verdade, precisamos abraçar o hábito da liturgia diária, precisamos retornar ao catecismo, precisamos ler os ensinamentos dos santos doutores da igreja, para que nosso processo de conversão seja um processo consciente, mas sempre fundamentado na humildade.

Algo que sempre me chama a atenção ao pensar na conversão de São Paulo é o fato de como ele sabia tanto e diante de Deus ele não sabia nada.

“E ele disse: Quem és, Senhor?” (At 9, 5a).

Ele que tanto sabia das escrituras, diante de Deus era um nada, incapaz sequer de compreender quem Ele era. Mas a sabedoria que tinha ele soube colocar a disposição, reconhecendo o senhorio de Jesus sobre ele, permitindo que Jesus dissesse o que ele deveria fazer.

“E ele, tremendo e atônito, disse: Senhor, que queres que eu faça?” (At 9, 6a).

São Paulo, que junto com São Pedro, o primeiro papa a quem Jesus confiou sua igreja (Mt 16,18), são as colunas da santa mãe igreja, não desejaram mudar a igreja que Jesus edificou, eles a sustentaram. Mesmo diante das perseguições e das pressões dos poderosos de seu tempo. Que nós possamos também seguirmos o exemplo de São Paulo e verdadeiramente nos convertemos, conhecendo a fundo a igreja de Cristo e com humildade aceitarmos a vontade Dele revelada, termos coragem mudar a nós mesmos e a Ele e a tua igreja apenas perguntar “o que queres que eu faça?”.

São Paulo Apóstolo, Rogai por nós!

Percebam Deus nos pequenos detalhes.

Graça, Paz e Misericórdia.

Qual o propósito de tudo isto?

Quadro Manifestación de Dios do artista Sebastián Sánchez @sebastiansanchez_artista

Você já parou e perguntou a si mesmo os motivos pelos quais você está fazendo o quê faz ou o quê te motiva a passar pelo que passa?

Eu acordei às 03:48h da madrugada, olhei pela janela do quarto e vi parte do céu estrelado, não tinha mais sono, não era insônia, não havia nada me incomodando, mas também não desejava voltar a dormir. Deitado na cama olhando as estrelas pela janela eu perguntei a mim mesmo, qual era o significado de tudo isso, qual o propósito de viver a minha vida da maneira que estou vivendo?

Hoje completasse o ciclo Pascal, os 50 dias da Páscoa se consolida em Pentecostes, foi um período de Páscoa intenso. As experiências do período Pascal sempre nos trás algum ensinamento novo ano após ano e este ano não foi diferente.

Faz sete dias que meu pai biológico faleceu, sim biológico, pois tenho mais de um pai. Não posso dizer que tenho dele abundantes lembranças boas, mas um filho não deve ser para um pai um inquisidor, pelo contrário, deve ser alguém que honra sua memória, tudo que ele fez ou deixou de fazer contribuiu para que eu chegasse a ser quem sou hoje.

Muito do que nossos pais fazem durante a nossa infância e adolescência muitas vezes nos parece absurdo, acreditamos fortemente que poderia ser diferente e quando alcançamos certa maturidade, sim maturidade que é algo completamente diferente de idade, pois é na maturidade que passamos a compreender como aquelas ações fizeram parte da formação de quem somos, não quer dizer que chegamos a concordar, tão pouco a fazermos igual, mas na maturidade aprendemos a reconhecer nas ações do outro o que Deus espera de nós, encontramos na maturidade significado.

Jesus Cristo esteve com os discípulos, ensinando, operando milagre, realizando as obras da boa nova, aqueles que O acompanhava tinha nele Mestre e Senhor, o Messias, mas Jesus sabia de nossas limitações humanas.

“Ainda tenho muito que vos dizer, mas vós não o podeis suportar agora.Mas, quando vier aquele Espírito de verdade, ele vos guiará em toda a verdade; porque não falará de si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido, e vos anunciará o que há de vir.” (Jo 16, 12–13).

E foi com a vinda do Santo Espírito sobre eles (At 2), que eles foram capazes de compreender na totalidade o plano de Cristo e a boa nova por Ele propagada. Somente ao receber o Espírito de Deus (Jo 20, 22) eles se tornaram capazes de aceitar que tudo o que viveram com Cristo tem início Nele, para ser feito com Ele, pois ao término dessa jornada é para Ele que iremos retornar, apenas por intermédio do Espírito Santo os discípulos foram capazes de alcançar a maturidade espiritual.

É no compreender e no confiar que deixamos de ser pessoas mimadas em nossas vontades e desejos, para nos tornarmos um com o Pai e Nele entendermos que mesmo nas mais variadas adversidades, devemos confiar, confiar que a promessa se cumprirá assim como se cumpriu aos apóstolos.

“De repente, veio do céu um barulho como se fosse uma forte ventania, que encheu a casa onde eles se encontravam.” (At 2, 2).

Permitir que o Espírito encha nossas vidas de significado, tudo irá passar, a dor passará, a tristeza passará, a saudade passará, nossas riquezas e pobrezas materiais serão em algum momento desvalorizadas e esquecidas, mas Deus é eterno e no Teu Santo Espírito, Ele nos convida a sermos eternos, nos oferecendo um significado maior para quem somos, para o quê fazemos e para o quê passamos. E em Teus dons, nos dá a capacidade de compreender que a qualquer momento seja para nós bom ou ruim, alegre ou triste, na luz ou nas trevas, que ali Ele também está presente a nos ofertar a capacidade de compreender e assim acreditar, que há um significado maior do que nós mesmo para tudo em nossa vida, um significado que é Pai, Filho e Espírito Santo.

É na graça deste significado, que eu convido vocês a dar um pequeno passo de maturidade, o passo de crê mesmo sem compreender que esses aí ao seu lado, esses que você chama de família, eles são para você, uma fonte de significado quê talvez você ainda não possa compreender. Mas como meu pai, mesmo sem saber, ajudou-me a aprender, eles também estão ajudando-te a aprender a

Perceber Deus nos pequenos detalhes.

Graça, Paz e Misericórdia.